Terça, 18 de Janeiro de 2022 03:33
61 98433-0150
Ação Social Distrito Federal

Câmara Legislativa realiza sessão solene de lançamento da Comissão de Mulheres do CRA-DF

A Câmara Legislativa realizou sessão solene nesta terça-feira (23) para comemorar o lançamento da Comissão de Mulheres do Conselho Region...

23/11/2021 18h30
17
Por: Comunicação Fonte: Agência CLDF
Foto: Rinaldo Morelli/CLDF
Foto: Rinaldo Morelli/CLDF

A Câmara Legislativa realizou sessão solene nesta terça-feira (23) para comemorar o lançamento da Comissão de Mulheres do Conselho Regional de Administração do Distrito Federal (CRA-DF). Na atividade, a Procuradora Especial da Mulher da CLDF, deputada Júlia Lucy (Novo), defendeu a liberdade feminina e afirmou que este é um dos pontos que a Procuradoria busca trabalhar. “Nós somos livres e estamos em um país livre; e eu defendo muito as liberdades e garantias individuais”, declarou.

A parlamentar também falou de apoio às mulheres que estão alcançando posições de destaque na sociedade. “Outra linha de atuação também é a de suporte à chegada das mulheres a posições de poder e de liderança”, completou. Nesse sentido, a distrital acredita que a criação da Comissão de Mulheres no CRA-DF é importante para dar este apoio que as servidoras do órgão precisam e também contribuir para o aumento da representatividade feminina, uma vez que Júlia Lucy vê poucas mulheres atuando não só na política, mas em outros âmbitos da sociedade.

Para o presidente do Conselho, administrador Jairo Brandizzi, as profissionais de administração terem um espaço dentro do CRA “é uma vitória na luta em busca da igualdade”. Brandizzi também mencionou figuras femininas de destaques em diversas áreas, declarando que é defensor da pauta. A também administradora e diretora de Relações Institucionais do CRA-DF, Mônica Cova Gama, afirmou que a sociedade é "patriarcal e machista", enfatizando o dever da mulher em lutar por seus direitos e apoiar outras mulheres. “A figura feminina esteve, até pouco tempo, associada a uma ideia de fragilidade que a coloca em situação de dependência do homem”, afirmou.

Em concordância com Mônica Gama, a presidente da Associação de Mulheres da Carreira Jurídica (AMCJ), Elizabeth Leite Ribeiro, falou que é importante esse apoio feminino a outras mulheres e citou o exemplo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), apesar de ter, segundo ela, a presença de 50% homens e 50% mulheres em todos os Conselhos Seccionais do país. “Infelizmente, ainda não conseguimos eleger nenhuma presidente. Ainda há aquela visão de sermos maioria, mas não conseguirmos dar suporte a outras mulheres”, ressaltou.

Elizabeth solicitou ainda uma maior participação de juristas femininas em indicações de pautas para a criação de proposições na Câmara Legislativa. “Afinal, somos juristas”, enfatizou. Ao final da sessão, Júlia Lucy falou sobre os estigmas impostos que devem ser quebrados para que a mulher tenha seu lugar em todos os âmbitos da sociedade e das esferas políticas.

Warley Júnior (estagiário) - Agência CLDF